Desenvolvimento Social [Apontamento 1]

Estou a organizar informação sobre desenvolvimento social. Assim sendo, vou partilhando com vocês alguns apontamentos na esperança que, os mesmos, possam ser úteis.

PARTE 1 - IMPORTÂNCIA DE VÍNCULOS FORTES

A pergunta que toda a gente faz: As crianças e jovens estão cada vez mais “difíceis”..., há fórmulas mágicas para dar a volta à questão?






Gordon Neufeld (especialista mundial na área da psicologia e relações familiares) - …Quanto mais nos disserem o que devemos ou não fazer, mais perdemos o senso comum e a intuição natural. Quando as crianças estão adequadamente vinculadas a quem delas cuida isso acaba por trazer ao de cima o que de melhor crianças e adultos têm. Quando as coisas não funcionam, o que mais necessitamos é de refletir sobre a importância das relações afetivas que evite a batalha contra as síndromes de comportamento. Temos vindo a ser pais e professores desde há milhares de anos. É uma “dança”, não um conjunto de competências. Quando a relação é a correta, a dança é relativamente fácil. Se não for, nada do que façamos irá correr bem.





**


Quero iniciar a abordagem deste processo com a seguinte conclusão:
A forma mais fácil de chegar ao segundo andar de uma casa é através do primeiro. Mas num momento de crise é sempre possível ir buscar uma escada, trepar e entrar por uma janela…
No final, penso que irão perceber esta conclusão!

VINCULAÇÃO

O desenvolvimento social inicia-se com o primeiro vínculo humano que é considerado, por vezes, como a base de todas as relações posteriores com os outros: a vinculação do bebé à pessoa que cuida dele.

O que é a vinculação?
Vínculo é a palavra científica para “relação” e fala da nossa necessidade preeminente de intimidade.
Procuramos proximidade e conexão de muitas maneiras: através de estar com, ser parecido com, fazer parte de, estar do mesmo lado de, ser importante para, através do amor, e através do sermos compreendidos.
Assim sendo, vinculação é uma relação afetiva que se estabelece entre a criança e o seu cuidador primário.

Durante os primeiros meses de vida, o mundo social do bebé está limitado a uma única pessoa, geralmente à mãe. Com o tempo os horizontes sociais tornam-se mais vastos, passando a incluir ambos os pais, o resto da família e depois os companheiros de cresce e da escola. Com o início da adolescência, os amigos do sexo oposto assumem cada vez maior importância, o indivíduo torna-se sexualmente ativo e em breve ele próprio torna-se pai iniciando novamente o ciclo reprodutivo. Mas a expansão do mundo social da criança vai mais longe. Já crescida, começa a compreender o sistema de regras sociais que a une não só à família mas também a um universo social mais vasto.

SEPARAÇÃO E PERDA
A figura de vinculação fornece conforto e segurança, ao passo que o seu afastamento desperta angústia.
Durante os primeiros meses de vida, o bebé aceitará um substituto, talvez porque ainda não exista uma conceção clara da mãe que a diferencie de todas as outras pessoas. Mas, a partir de certa altura, entre os seis e os oito meses de idade, o bebé começa a saber quem é a sua mãe. A partir de agora, chora e inquieta-se quando a vê partir.
Separações longas podem ter efeitos graves.
Para alguns autores, o desgosto experimentado por adultos com a morte de um ente querido é, em muitos sentidos, semelhante à ansiedade de separação da criança afastada da mãe.

AVALIAÇÃO DA VINCULAÇÃO
A reação à separação fornece um modo de avaliar o tipo de vinculação que um bebé estabeleceu com a mãe.
Um procedimento largamente utilizado é a chamada “situação estranha”, inventada por Mary Ainsworth e seus colegas, para crianças com cerca de um ano de idade.
A criança é primeiro introduzida numa sala desconhecida onde há muitos brinquedos, dando-se-lhe oportunidade para explorar e brincar, enquanto a mãe está presente. Passado algum tempo, entra um estranho, fala com a mãe e depois aproxima-se da criança. O passo seguinte é uma breve separação: a mãe sai da sala e deixa a criança sozinha com o estranho. Segue-se a reunião, a mãe volta e o estranho sai.

Qualidade da vinculação
Na situação estranha, um grupo é descrito como “firmemente vinculado”. Enquanto a mãe está presente, estas crianças exploram, brincam com os brinquedos e até se aproximam cautelosamente do estranho. Mostram alguma perturbação, quando a mãe sai, mas saúdam com grande entusiasmo o seu regresso. As restantes crianças revelam vários padrões de comportamento que Ainsworth e os seus colegas consideram sinais de “vinculação insegura”. Algumas parecem estar muito ansiosas: não exploram a sala mesmo na presença da mãe, ficam extremamente angustiadas e em pânico quando elas as deixam e reagem com ambivalência emocional no momento da reunião, correndo para elas para serem pegadas ao colo e lutando com raiva, depois, para voltarem ao chão. Outras mantêm-se distantes  e afastadas de início: manifestam pouca perturbação, quando a mãe a deixa, e ignoram-na quando volta.
Crianças, na “situação estranha”, classificadas como firmemente vinculadas, foram consideradas, aos três anos e meio, como mais extrovertidas, populares e bem adaptadas na creche.


[A vida emocional da criança não é exclusivamente dedicada à mãe. Mas a mãe parece ser mais importante, pelo menos em idades precoces.
Ou seja, os resultados sugerem que a vinculação ao pai é menos poderosa do que à mãe. O mais provável é que esta disparidade reflita o facto de, na grande maioria das crianças da nossa sociedade, a mãe ter a seu cargo a maior parte dos cuidados.]


(continua)