Brothers & Sisters - Part 2

A IMPORTÂNCIA DA ORDEM DE NASCIMENTO
Numa família, cada indivíduo desempenha um determinado papel, que é distinto dos restantes. Mas porque é que uma criança não pode desempenhar um papel semelhante a um outro irmão? As crianças acreditam que precisam de ser diferentes para terem valor. A partir daqui, desenvolvem crenças erradas sobre si, baseadas na mesma família, como resultado da ordem de nascimento.

É curioso notar que as crianças pertencentes a uma determinada família são verdadeiramente diferentes, apesar de terem os mesmos pais, a mesma casa e a mesma vizinhança. O ambiente pode não ser exatamente o mesmo, mas na verdade o fator que contribui em maior escala para as diferenças no interior da família (papel) é mesmo a interpretação que cada uma delas atribui ao ambiente em que vive, resultado, em larga medida, da forma como os pais interferem nestes comportamentos de fraternidade.

AS CONSEQUÊNCIAS (POSSÍVEIS) PARA DETERMINADAS ORDENS DE NASCIMENTO

Irmãos mais velhos - quando se pensa no tipo de “posição” e comportamentos que possuem junto do(s) seu(s) irmão(s), espera-se que seja responsável, líder, “mandão”, perfecionista, crítico (de si e dos outros), conformista, organizado, competitivo, independente, relutante em correr riscos ou conservador. Neste sentido, e indo ainda ao encontro das conceções erradas que formam, pela posição que ocupam, este tipo de irmãos adota a conceção errada de que a sua importância assenta em um ou dois pilares fundamentais – ser melhor ou ser o primeiro.

Irmãos mais novos - são conhecidos por serem “estragados com mimos”. A conceção que estes, por sua vez, formulam baseia-se na ideia (errada) de que a sua importância se deve à manipulação que conseguem fazer sobre os outros, para obter o que desejam. São geralmente criativos e amorosos, características que canalizam para aquela manipulação.

É imperativo que os pais tomem atenção a esta manipulação para que os filhos não se transformem em indivíduos a quem lhes foi retirada a responsabilidade, auto, autoconfiança e auto-suficiência, quando cedem a todos os pedidos da criança, sem que esta tenha a possibilidade de experimentar tais competências, em atos tão “simples” como acordar e vestir-se sozinho de manhã, ou fazer a cama.

Caso a criança seja superprotegida e ilibada das responsabilidades, os próprios pais correrão o risco de ficarem mais tarde desapontados e frustrados quando se depararem com a falta de desenvolvimento de melhores competências e atitudes por parte dos seus filhos.

Filhos do meio - porque ocupam posições diferentes possuindo, por vezes, a conceção errada de que, por seu turno, têm de ser diferentes dos irmãos para terem o seu valor e sucesso, dando origem a crianças “muito sociáveis”, “tímidas” ou tão-somente “rebeldes”. Desenvolvem então uma enorme empatia com os mais desfavorecidos, identificando-se com eles; podem ser bons promotores da paz e os outros procuram-nos pela simpatia e compreensão.
Este modelo de idealização do tipo de irmão, de acordo com a ordem de nascimento, não deve ser utilizado para rotular ou estereotipar crianças. Tratam-se apenas de linhas orientadoras, na tentativa de compreender por que razão as crianças têm muitas vezes interpretações erradas sobre como encontrar um sentido de pertença/valor, para tomar consciência das formas mais eficazes de as ajudar.

EXCEÇÕES À REGRA
Género Sexual
Analisemos as seguintes situações:
Se o primeiro e segundo filhos, de uma fratria de 3 ou mais filhos, são de géneros diferentes, ambos podem desenvolver características de filho mais velho, no âmbito do seu papel sexual na família.

Contudo, se os dois filhos mais velhos são do mesmo sexo, é de esperar que existam diferenças entre ambos, que podem variar ao extremo, sendo opostos nos comportamentos, como vimos anteriormente.
Repare ainda que se um filho tem a oportunidade de estar numa posição durante mais de quatro anos, já formulou muitas interpretações acerca da vida e de si próprio e de como encontrar valor ou pertença. As interpretações podem ser modificadas, mas dificilmente transformadas, quando a constelação familiar muda.

Ambiente Familiar
Este pode diminuir ou aumentar as diferenças. Quando a competição é valorizada e moderada, as diferenças acentuam-se; contrariamente, quando a tónica é colocada na cooperação, as diferenças diminuem. Assim, quando duas irmãs, que têm uma diferença de idades de apenas 18 meses, têm características semelhantes e não opostas (como vimos em cima), podemos supor que os seus pais as criaram num ambiente de cooperação e não de competição. É importante mencionar que cada característica que acima é mencionada, independentemente do caso, surge no sentido de uma orientação, não de definição de cada qual.

***
AQUI Lancei o desafio de efetuarmos uma "Ode aos Irmãos". Bastava uma fotografia. O resultado é este!


 




Obrigada!
Poema de José Luís Peixoto

"ainda que tu estejas aí e tu estejas aí e
eu esteja aqui estaremos sempre no
mesmo sítio se fecharmos os olhos
serás sempre tu e tu que me ensinarás
a nadar seremos sempre nós sob
o sol morno de julho e o véu ténue
do nosso silêncio será sempre o
teu e o teu e o meu sorriso a cair
e a gritar de alegria ao mergulhar
na água ao procurar um abraço que
não precisa de ser dado serão
sempre os teus e os teus e os meus
cabelos molhados na respiração
suave das parreiras sempre as tuas
e as tuas e as minhas mãos que não
precisam de se dar para se sentir
ainda que tu estejas aí e tu estejas aí e
eu esteja aqui estaremos sempre
juntos nesta tarde de sol de julho
a nadarmos sob o planar sereno dos
pombos no tanque pouco fundo da
nossa horta sempre no tanque fresco
da horta que construíram para nós
para que na vida pudéssemos ser
mana e mana e mano sempre." JLP