Era uma vez, os heróis dos contos infantis...

Con il mio amico Pinocchio
@ Milão

Ler contos infantis durante a infância auxilia o desenvolvimento das crianças a todos os níveis. Esse ato, aparentemente tão simples, pode estimular o desenvolvimento psicológico, cultural e emocional. E, ao permitir que a criança desenvolva a imaginação, vai estimulando, igualmente, a criatividade.
Os contos infantis propiciam à criança uma forma lúdica de aprender. Contribuindo para a sua formação, onde valores e costumes são transmitidos.
O "Era uma vez" dos clássicos contos infantis possibilita a identificação das crianças com as personagens, onde medos, angústias e conflitos podem ser trabalhados.

Qual o "papel" dos HERÓIS dos contos infantis?

Normalmente, os seus nomes são bastante sugestivos e as crianças, se quiserem, podem emprestar-lhes os seus próprios nomes. Alguns são medrosos, covardes e, a maioria deles, fica impotente diante da força, do autoritarismo e da opressão. Outros são vaidosos, preguiçosos, solitários. Outros, ainda, são valentes, destemidos, trabalhadores e amados por todos.

Ou seja, estes heróis possuem qualidades e defeitos como toda e qualquer criança.Vivenciam problemas semelhantes, lutam pelas mesmas coisas, enfrentam medos idênticos, passam pelas mesmas angústias e possuem as mesmas esperanças. Como tal, permitem que as crianças se projetem nelas e as escolham como guias. 

A humanidade desses heróis ensina-as que é preciso lutar, esforçar-se e fazer escolhas para conseguirem aquilo que desejam. Também ensinam que, em toda essa luta, é preciso trilhar o bom caminho, ter ética, ser respeitador, não sobrevalorizar ou menosprezar  as características dos semelhantes, mas compreendê-los e aceitá-los como são. E desta forma, ensinam a todas as crianças os valores morais mais importantes, como a bondade, a honestidade e o respeito pelos outros.

Ensinam também que, para que as grandes conquistas ocorram é preciso ter um objetivo e ser perseverante em relação ao mesmo, pois nem tudo pode acontecer do jeito, no tempo e da forma como a criança quer. Ensinam que muitas vezes é preciso ceder em alguns aspetos, retroceder noutros, procurar novos caminhos e, para isso, não podem perder a autoconfiança e a coragem. E, se nada der certo em dado momento, devem recomeçar tudo novamente, sem esmorecer...
E eu continuo a ser uma apaixonada por contos infantis!

Fonte:
BETTELHEIM, Bruno. "A Psicanálise dos Contos de Fadas". R.Janeiro, Ed Paz e Terra, 1980.

Sugestão:
http://butterfliesehurricanes.blogspot.pt/2012/01/nao-sofro-de-sindrome-de-peter-pan-mas.html