You Know I'm No Good ♥


Ontem foi dia de rever, na RTP2, "Quando Amy Veio a Dingle"
Este é um filme sobre Amy Winehouse, não é um filme triste e lamechas sobre a tragédia que aconteceu, é um filme sobre a Amy que conhecíamos. Era inteligente, atrevida, generosa, era hilariante e todos conhecemos a sua voz, é um filme sobre essa Amy. Essa Amy de quem eu era (sou) fã.

***

Mas... já agora, quando falo sobre a sua morte prematura, faço sempre dois apontamentos (que podem ser generalizados para outras situações):

  1. Não foi apenas a droga que matou Amy Winehouse. A droga costuma ser apenas a superfície visível do fenómeno, é a topografia da resposta a um estilo de vida autodestrutivo. O vício chegou a um ponto que se justificava por si mesmo: ela já usava substâncias porque precisava, patologicamente, de as usar. Mas por quê? 
  2. Amy vivia cercada por um cortejo de aduladores e aproveitadores do showbiz. Para entender o que causou a sua morte não devemos apenas analisar a química das drogas que ela usou, mas que contingências a levaram a, num histórico de longa data, agir como agiu rumo à morte... Até que ponto não havia todo um meio de pessoas em seu redor que faziam uso de sua imagem de "artista genial e drogada" para criar uma marca, um carisma doentio na cantora, e até incentivavam os seus vícios com esse fim.