Pensamentos Soltos: "Não existe falta na ausência"


Ontem, durante atendimento, a “cuidadora” de uma jovem partilhou comigo: “Sabe, a S. já não tem mãe” (…)
A conversa foi de manhã e durante todo o dia esta frase não me saiu do pensamento: "...já não 'TEM' mãe”.
Como é possível deixar de "TER" mãe? ...Não é.
Por não conseguir conceber a falta na ausência física de uma mãe, substituo sempre o "TER" por "ESTAR". 
Já não está comigo, mas continua a existir em mim e através de mim. Dou-lhe voz e dar-lhe-ei sempre.
É por a "TER" que eu sou. É por a "TER" que eu sou como sou.

Objetos deixam-se de “TER”. 
UMA MÃE  “TEM-SE PARA SEMPRE"