Afinal trata-se de um caso de..."Comichão Cognitiva"

Ultimamente, tenho sido invadida por uma necessidade incontrolada de cantarolar:
“One, two, three, four,
Can I have a little more,
Five, six, seven, eight, nine, ten,
I love you.
A, B, C, D,
Can I bring my friend to tea,
E, F, G, H, I, J,
I love you (…)”
Porque será que esta música não me sai da cabeça? Descobri que a campanha publicitária da Optimus provocou em mim um fenómeno designado de: “comichão cognitiva”.
Um estudo conduzido nos Estados Unidos mostrou que algumas músicas não saem da cabeça, porque provocam uma espécie de “comichão cognitiva”, apenas aliviada quando a canção é cantarolada várias vezes (acabamos de encontrar uma desculpa para aquelas ocasiões em que nos mandam parar de cantar!).

Na Alemanha, esse tipo de música denomina-se “ohrwurm” (“verme de ouvido”) e, carateristicamente, apresenta uma melodia otimista e letra repetitiva. É o caso, por exemplo, das músicas, já antiguinhas, “Y.M.C.A. “, dos Village People, e “Macarena”, dos Los del Rio, que obtiveram um grande êxito graças à capacidade de provocar a tal “comichão cognitiva”, segundo o professor James Kellaris, da Escola de Administração e Negócios da Universidade de Cincinnati. Os resultado preliminares da sua pesquisa foram apresentados numa conferência de psicologia do consumo. Os mais interessados são os responsáveis pela Indústria pop, preocupados com o acréscimo de vendas.