A simpática técnica de engate...



Hoje, por mero acaso, lembrei-me  do livro “A medusa e o caracol”, de Lewis Thomas. Nesse livro existe um artigo muito engraçado chamado: “Sobre o pensamento acerca do pensamento”. Sem perder tempo, vim para o computador e aproveitei o tema para esta minha primeira publicação!


No referido artigo, Thomas propõe uma metáfora alargada sobre o que é o pensamento. Diz ele que, em estado de vigília na nossa mente vão passando vagas noções, assim como se boiassem, livres como a liberdade, numa espécie de caldo sideral, assim como as estrelas. Essas noções têm forma de bolinhas, o que é de facto uma ideia muito engraçada, e têm dois ganchinhos a arrematá-las. De vez em quando, uma noção passa perto de outra, que tem um ganchinho compatível. As duas engatam-se. Continuando a girar. Volta e meia encontram mais um ganchinho compatível, voltam a engatar. A partir de certa altura, tantas noções já ligadinhas entre si formam uma outra coisa, mais consistente e que já não se vai satisfazer com qualquer ligação.
A essa coisa mais consistente Thomas chama de ideia.

Não pensem que a história acabou! Porque a ideia também gira, sempre de ganchinho pronto ao engate, mas cada vez mais seletiva naquilo que aceita agregar. Vai tendo mais peso, diz Thomas, e vai rodando mais devagar – o que é de todo natural: uma ideia, desde que nasça e queira desenvolver-se, é como qualquer outra coisa: exige tempo e calma.


Chegada a uma certa altura, a cadeia de bolinhas chamada de ideia já não recebe nenhuma bolinha nova. Ficou pronta, densa e nítida, com extensão quanto baste. A ideia passou a ser pensamento.
É assim que tem lugar a origem, pontual e pouco nítida, de qualquer pensamento. Nessa altura, quando as coisas ainda estão no campo das vagas noções rodando no espaço da mente, é difícil, senão mesmo impossível verbalizar. Esse pré-pensamento materializar-se em formas mistas de imagens e vagas lembranças verbais, assim como se fosse um sonho. Aliás, estarmos entregues à flutuação das noções é uma forma de devaneio, palavra com que designamos exatamente aquela interessante experiência de “sonhar acordado” (algo que conheço muito bem!!).

Nota n.º 1 – Foi este o percurso que as “minhas bolinhas” efetuaram até àquele momento em que verbalizei: “Estou a pensar criar um blog, valerá a pena amadurecer esta ideia?”
Nota n.º2 – Será assim, com tempo e calma, que as “minhas cadeias de bolinhas densas e nítidas”, a partilhar neste cantinho, irão nascer.

Não pensem que a história acabou! Porque agora entram vocês que vão querer conversar sobre os meus pensamentos. Aí, terão de fazer um percurso inverso do meu.

Vão, então, separar as partes do meu pensamento, para analisar, compreender e poder contra-argumentar ou reforçar a minha argumentação. Trarão ao de cima as ideias, e se eu tiver sorte, vocês dir-me-ão que os engates das minhas bolinhas são os melhores. Bingo para mim.
Mas vocês podem “escavacar” mais um pouco e puxar pelas noções. Separá-las umas das outras e, com as minhas noções, poderão chegar a um outro pensamento. Bingo para vocês!

Até breve!