Porquê? Porque sim!...

Em regra, é por volta dos 3-4 anos de idade que se inicia a “fase dos porquês”. E, como é óbvio, está relacionada com a curiosidade da criança em querer saber como tudo acontece.
Porquê?!

Porque esta fase está intimamente ligada à construção da identidade, ou seja, a criança inicia, por esta altura, o seu processo de auto-descoberta, começando a ter noção do seu próprio “Eu”, e, também, da importância daquilo que consegue fazer, daquilo que vê e ouve. Com esta descoberta, os pequenos começam a perceber a sua realidade envolvente e dão ênfase aos porquês de tudo. 

É habitual questionarem-nos repetidamente e encadearem um porquê a outro porquê. Não desesperem!! Aliás, é fundamental ter paciência e respeito por toda essa curiosidade e, na medida do possível, ajudar a esclarecer todas as dúvidas.
Porquê?!

Porque é essa curiosidade, essa tentativa de compreensão do mundo que levará a criança a fazer novas descobertas, “aguçando” a sua perceção, o seu gosto para o aprender.
Se a criança é tolhida pelo adulto, no momento em que faz perguntas, poderá perder o interesse, a vontade de descobrir coisas novas, ficando paralisada no seu processo de aprendizagem por medo ou insegurança.

Uma estratégia para amenizar as perguntas é devolvê-las para que a própria criança tente explicar, ou utilizá-las em momentos em que esta não queira obedecer. Por exemplo, quando diz que não quer tomar banho a mãe poderá perguntar-lhe o porquê, e, assim, mostrar que nem tudo pode acontecer da forma como ela deseja.

E à medida que vai compreendendo o mundo que a rodeia esta fase desaparecerá, tal como surgiu…sem nos darmos conta!
Sobrinho & Tia @ Parque
E quando "Porque sim" é a melhor resposta, ou a mais conveniente!!


Uma das muitas conversas dos porquês com o meu sobrinho (de apenas  2 anos e 4 meses, mas já na fase dos porquês...é verdade!)
Eu: És muito malandro.
Ele: “Poquê”
Eu: Porque só fazes malandrices (e dei exemplos, muitos!!)
Ainda Eu: Explica-me porque és tão malandro?
Ele: “poque xim”
Eu: Isso não vale, tens de me dizer porquê!
Ele: “Já dixe, POQUE XIM”...

SUGESTÃO:
Lourenço, O. (2007). (2007). Psicologia de Desenvolvimento Cognitivo. Teoria, dados e implicações (2ª ed.). Coimbra: Almedina.