Com que emoção eu vou?


Visualizar esta "campanha" deixou-me pensativa, pois um dos meus maiores medos é a aproximação do fim da vida - não da vida em si, porque esse sei-o como garantido -, refiro-me ao fim de qualquer probabilidade de mudança na minha vida. Para quem vive mergulhada em ideais, sonhos, vontades, aspirações... este será sempre o maior dos receios: a possibilidade de o "relógio pessoal" me dizer: "não dá mais, o tempo esgotou-se"e, olhar à minha volta, e perceber que ainda haveria tanto para concretizar...
E, de mim para mim, motivada por esse medo, ordeno:

Se tiveres de recomeçar, recomeça.
Se te sentires ofendida, manifesta-o.
Se tiveres opinião, opina.
Se tiveres de avançar, avança.
Se te perderes, reorienta-te.
Se falhares, tenta de novo.
Se tiveres dúvidas, pede ajuda.
Se te sentires culpada, corrige.
Se te sentires grata, retribui.
Se não der mais, põe um ponto final.
Se quiseres ser respeitada, respeita.
Se estiveres apaixonada, declara-te.
Se quiseres ser grande, sê humilde...
...Só, por favor, não fiques aí parada, resignada.
Enquanto tiveres tempo...Vai!

Com que emoção eu vou? Depende. Mas procuro sempre ir!...