À procura da terra do nunca



Não sofro de Síndrome de Peter Pan, mas, por vezes, considero que nunca deixei de ser criança. Talvez por isso seja fã de contos infantis. Sim, e sinto uma especial simpatia pela magia de Peter Pan. O que justifica o facto de, em 2004, aquando do seu lançamento, ter ficado rendida ao filme: À Procura da Terra do Nunca”, de Marc Foster.
Vejo o mundo a cores. Acredito no que as crianças podem trazer de novo. Porque elas, afinal, “não são o melhor do mundo”, mas o melhor de nós mesmos…

Não é preciso muito para que existam coisas extraordinárias na vida e, apesar de poder parecer que vivemos num quadrado, há mais vida fora do perímetro do quadrado. É nesses quadrados da existência que estão os Capitães Ganchos que nos levam a repetir o conhecimento, ao invés de o alargar, achando que devemos ser todos iguais e uniformes, e não educados para a diferença, de modo a encontrar a prometida Terra do Nunca. É nesse quadrado que estão a inveja e a condescendência dos adultos (representado pelo Capitão Gancho, Smee, e os demais piratas), que vivem numa ilusão obstinadamente persistente. E é fora dele que está a terra dos sonhos, onde as fadas nascem quando um bebé esboça um sorriso perante os seus entes mais queridos, porque as fadas são esses familiares que vêm o sorriso e que levam, pelas suas mãos, as crianças à terra do nunca.


SINOPSE
À Procura da Terra do Nunca, é um conto mágico inspirado na vida do escritor James Barrie, que deu vida ao célebre Peter Pan, um dos maiores heróis das histórias infantis. Um génio literário, Barrie aborrecia-se com os temas da época e procurava inspiração para uma nova peça. E inesperadamente encontrou-a onde menos esperava, quando se cruza com uma bela viúva e os seus quatro filhos, os Llewelyn Davis. Barrie torna-se amigo dos cinco e transforma-se no seu companheiro de histórias e aventuras, onde todos se transfiguram em cowboys, índios, piratas, reis e fadas. Os jovens Llewelyn Davis acabam por ser batizados “Os Rapazes Perdidos da Terra do Nunca”. Assim Nasce “Peter pan”, a peça com que Barrie desafia todas as convenções, pondo atores a voar e a falar com pequenas fadas. Porque tudo isso é possível na terra do nunca.”
PARA COMPLEMENTAR: uma SUGESTÃO DE LEITURA
“Chega-te a mim e Deixa-te ficar", de Eduardo Sá
Editor: Oficina do Livro


Sinopse
"Há pessoas sem prazo de validade. E é por isso que quando escrevem, esses textos também ficam para sempre. Podemos lê-los hoje ou amanhã, duas horas antes das refeições ou deitados num sofá, e tocam-nos sempre. E alargam-nos os neurónios, e fazem melhor à alma do que as vitaminas. E às vezes dão-nos, finalmente, a autorização de que precisávamos para chorar. Outras fazem-nos desconfiar: "De onde é que este tipo me conhece?" Mas valem sempre a pena ler, porque quando se faz ginástica com a linha com a linha do horizonte e a curvamos à nossa medida encontramos o Eduardo Sá."
Isabel Stilwell

Excerto
Há pessoas que põem palavras nos nossos sentimentos. Parecem-se com os poetas. Mas depois, de surpresa, abandonam os nossos sonhos pé ante pé ou de «pantufas». Não sei... Na verdade, decepcionam-nos (devagarinho) e, quando damos por isso, apagam-se dentro de nós. Deixam de ser preciosas e, por tudo o que valeram, não podem voltar a ser só nossas amigas. Partem, portanto, para uma «terra de ninguém», muito distante do sítio onde vivem os génios da lâmpada, o Pai Natal, as fadas e os duendes. E por lá ficam. Mais ou menos errantes.
Imagino esse lugar, onde se acotovelam tantas pessoas que nos disseram tanto, como um Purgatório, com a particularidade de lá não se ser promovido, com facilidade, até ao Céu. É verdade que essas pessoas não se transformam num inferno dentro de nós, embora, por vezes, surjam, ora como um vulto ora como uma silhueta ou, até mesmo, como uma estrela cadente que, atravessando o nosso coração, já não provoca um arrepio (muito menos, um calafrio, que são aqueles sentimentos impetuosos que nos desabotoam a cabeça e nos deixam a arder de paixão e a tremer de medo, ao mesmo tempo).

Afinal, não são nem amigos nem amores. Transformam-se num museu? Numa arqueologia de todos os amores, por exemplo? Às vezes, nem nisso. Infelizmente. Se fosse assim, estáticas ou em pequenos pedaços de histórias, empoeirados, seguravam-se no nosso coração. O que não acontece às pessoas que foram perdendo a magia...

Este «não sei para onde» (eu sei que, dito assim, custa só de pensar) é uma espécie de cemitério de poetas dentro de nós. Um lugar de silêncio que convida a espreitar para o que sentimos. Com surpresa e com dor, ao descobrirmos que, ao contrário do que sempre desejámos, há relações — luminosas — que foram morrendo para nós. Às vezes, assusta. Afinal, não é simpático descobrirmos que mora em nós alguém que, não sendo o Capitão Gancho, tenha ajudado a morrer (de inanição, por exemplo) quem trouxe poesia, ou luz, ou um insustentável rebuliço ao que sentimos... Às vezes, atormenta. Porque magoa descobrirmos que — mesmo quando nos imaginamos a dar a sala mais espaçosa do nosso coração — também nós, dentro de algumas, vivemos sem viver, errantes, nesse «não sei onde» de alguém, entre os seus amigos e os seus amores. Às vezes ainda, somos tocados pêlos galanteios da vida e, levados pelo entusiasmo, imaginamos que, se desejarmos com muita força, algumas das pessoas que guardamos no nosso cemitério de poetas ressuscitam e regressam, cheias de luz, para surpresa do Pai Natal ou das fadas (que, sendo mágicos, parecem viver num mundo de bolas coloridas de sabão). Eu sei que também entre as pessoas há quem pareça mágico mas intocável. Como eles. Mas não se esqueça: esse é o cais de embarque que, de surpresa, nos pode levar (sem volta) para o cemitério dos poetas."