Tirar partido das CORES

 “As cores que as pessoas não gostam dizem muito sobre o que elas são no seu íntimo, mas têm medo de demonstrar. As cores preferidas funcionam como as máscaras que utilizamos para nos apresentarmos ao mundo.”—Mark Wentworth


O ser humano está rodeado de cores desde o nascimento e é influenciado por elas através da visão, da pele e da respiração. Relacionada com os diferentes comprimentos de onda do espetro eletromagnético, a cor tem diferentes vibrações. Existem estudos que demonstram que essas vibrações são emitidas diretamente sobre as células e as glândulas do corpo, acabando por influenciar as pessoas a nível físico e emocional.
Cores claras dão energia enquanto cores mais escuras podem retirar essa energia. Pode ficar-se mais bem-disposto com o uso do amarelo claro e laranja, enquanto cores mais escuras, como o castanho e o verde- escuro, são quentes e confortáveis…
No vestuário além das mensagens que cada cor transmite subtilmente, há cores e tonalidades que nos ficam melhor do que outras. As cores certas dão harmonia, as cores erradas dão-nos um aspeto pálido ou, até mesmo, doente! Esta análise da cor está relacionada com as características físicas da pessoa: cor do cabelo, da pele e dos olhos.
O objetivo é as cores fazerem parte da pessoa que as veste e não aparecerem como algo independente. A ideia é a pessoa entrar num espaço e ser vista como um todo, um ser completo”, resume Mark Wentworth. Nas suas sessões de consultoria de imagem, começa por identificar a que estação do ano pertence a pessoa.
O truque é colocar sobre os ombros da pessoa, próximo da cara, dois tecidos. De um lado está um prateado (que representa os tons frios do Verão e do Inverno) e do outro, um tecido dourado (que representa os tons quentes do Outono e da primavera). O que fizer o rosto da pessoa mais luminoso, magro e com as feições definidas é o tom a que ela pertence. Por exemplo, uma pessoa a quem o prateado fique melhor deve usar os tons frios no vestuário. De seguida, o especialista pega em dois tecidos da mesma cor – mas de tonalidades diferentes – que representam o Verão e o Inverno (as estações do tecido prateado). Coloca-as de novo junto ao rosto da pessoa para descobrir a qual das duas estações do ano a pessoa pertence. Feita esta descoberta, cada estação tem uma paleta de cores que podem ser usadas para benefício do utilizador.
Ao contrário do que muitas vezes se pensa, todas as cores têm um lado positivo e um lado sombra, não é apenas o preto! “Todas as cores podem ser usadas para manipular”, alerta  Mark Wentworth. O vermelho é um exemplo flagrante de manipulação. Utilizado nas lojas, sobretudo em época de saldos, porque transmite uma mensagem de impulsividade, de compra imediata.

AS CORES DA ROUPA

Não se esqueça: as cores que se escolhem para vestir refletem estados de espírito e influenciam, mesmo inconscientemente, quem as usa. Além disso, projetam uma imagem e passam mensagens subtis que, por vezes, são o contrário do que se pretendia transmitir naquela situação.

VERMELHO Cor de energia. Dá autoconfiança e autocontrolo. É a cor de estimulação e mostra uma personalidade forte. É também uma cor agressiva e pode significar alguém com carácter dominante e impaciente. Chama a atenção e transmite força. Deve evitar-se em situações de cansaço e insegurança.

CINZENTO O cinzento-claro ajuda o utilizador a permanecer emocionalmente neutro. O cinzento-escuro exige regras. Uma vez que não oferece suporte emocional, o cinzento deve ser evitado quando se trabalha com jovens.

AMARELO Ideal para ocasiões em que se exige um espírito lógico e analítico. Deve evitar-se em situações de stresse e pouca clareza de espírito. Na decoração da casa, por exemplo, não se aconselha o uso do amarelo no quarto, porque estimula a mente e não proporciona o relaxamento mental necessário ao descanso.

PÚRPURA Projeta confiança, individualidade e criatividade. Estimula os sentimentos, pelo que é de evitar quando se lida com situações de tristeza.

PRETO Cor da autoridade, alguém com opinião e disciplina. Pode, também, significar falta de criatividade e pouca autoconfiança pois pode implicar que alguém se ‘esconde’ atrás da cor. Use quando precisa de mostrar autocontrolo e autoridade. Cria impacto e dá a sensação de mistério. Oferece segurança quando quem o utiliza atravessa profundas mudanças emocionais. Evitar quando se está deprimido ou se pretende ganhar a confiança dos outros (nunca vestir preto quando trabalhar com crianças).

AZUL Cor da lógica, ativa a mente. Simboliza confiança, paz e ordem. Pode, também, significar autoridade. O azul-marinho, utilizado nas fardas da polícia, projeta autoridade e confiança. Já o azul médio é indicado para entrevistas, visto indicar calma e comunicação aberta. O azul-claro é usado por enfermeiras e pessoas que cuidam de outras.

CASTANHO Cor da terra, ideal em situações descontraídas. Transmite simpatia, com pés no chão e com uma atitude séria. Também é a cor da proteção e do desejo de querer ser aceite por toda a gente.

ROSA Sugere simpatia e empatia, dá o toque feminino. Pode, também, significar pouco confiante e dependência. Promove o trabalho de equipa e cria um ambiente romântico. A evitar quando se pede uma promoção ou quando se quer ter os pés assentes na terra.

BEJE Cor ideal para substituir o preto e o castanho, no Verão. É uma cor não agressiva, simpática e ajuda a aproximar-se de outras pessoas. Ideal para quem tem empregos na área do coaching ou recursos humanos, onde uma boa relação é essencial. Desaconselha-se usar o bege sem outra cor mais viva.

BRANCO Significa frescura e pureza espiritual. Mostra uma personalidade positiva, equilibrada, otimista e individualista.

VERDE Sugere calma e simpatia. Também pode significar imaturidade e uma pessoa cautelosa que não confia nos outros facilmente. O verde e o verde-claro dão a sensação de leveza e renovação. A utilizar quando se precisa de equilíbrio mental e se tem necessidade de espaço. O verde-escuro oferece resistência à mudança e, por isso, deve evitar-se quando se tentam promover novas ideias.

LARANJA Aumenta o valor próprio. Assim como a cor de pêssego, pode ser usado por assistentes sociais ou em trabalhos de aconselhamento. Em entrevistas, tende a enervar o entrevistador. Não ajuda ao autocontrolo, evita-se em casos de dieta (estimula a vontade de comer doces).